A formação da elite brasileira patina e condena o país ao atraso

'O processo de formação da elite brasileira patina. Via de regra, os hábitos de leitura e a capacidade de interpretar ideias complexas são lamentáveis' 22/12/2016 - Folha de S.Paulo - Matias Spektor
COMPARTILHE

A formação da elite brasileira patina e condena o país ao atraso

 

 

 

A qualidade da formação da elite de um país diz muito sobre a posição relativa do mesmo no sistema internacional.  Quando bem formados, os quadros de elite conseguem cumprir a função social que lhes cabe: apontar rumos para toda a sociedade.  Quando despreparados, eles atrapalham o desenvolvimento da coletividade à qual, em tese, deveriam estar servindo.

 

Cada país inventa seu próprio modelo de formação.  As Grandes Écoles da França recrutam talentos para formar uma tecnocracia nacional.  Oxford e Cambridge garantem o caminho às altas rodas de quem vem de escolas excelentes.  As Ivy Leagues americanas selecionam com base em mérito e em privilégio.  Índia, Colômbia e México treinam seus melhores quadros no mundo anglo-saxão, ao passo que a China o faz em casa.

 

A natureza dessa formação ajuda a explicar se a elite governante de um país será mais nacionalista ou cosmopolita, e mais aberta ou fechada a quem não vem de berço de ouro.

 

No passado, o Brasil já treinou suas elites em Portugal e fez de um punhado de escolas politécnicas e de direito seu celeiro de talentos.  As escolas militares também tiveram seu quinhão.

 

Nos últimos 30 anos de vida democrática, a formação da elite brasileira viveu uma grande transformação.  A expansão acelerada da rede de universidades públicas, a política de cotas, a provisão de crédito educacional e o boom de faculdades privadas criaram oportunidades antes inimagináveis para cidadãos interessados em compor as rodas que governam o país.

 

No entanto, o resultado deixa muito a desejar.  Mesmo quem dispõe de dinheiro para investir é mal formado.  Por um lado, nas instituições de ponta há pouca ou nenhuma ênfase na aquisição de habilidades e competências profissionais.

 

Assim, egressos dos melhores lugares apresentam dificuldade com o uso da língua oral e escrita, além de empacar em operações quantitativas básicas.  Da redação de um simples e-mail formal à capacidade de debater um tema controverso em público, o processo de formação da elite brasileira patina.  Via de regra, os hábitos de leitura e a capacidade de interpretar ideias complexas são lamentáveis.

 

Por outro lado, mesmo nos estratos mais altos da sociedade, a educação oferecida continua sendo obstinadamente alheia ao resto do mundo.  O entrincheiramento nas fronteiras nacionais é a tônica dominante, produzindo quadros cuja ignorância a respeito daquilo que ocorre alhures é surpreendente na era da globalização.  É o tipo de prática que condena o país ao atraso.

 

Se quisermos participar de maneira menos marginal no mundo em que vivemos, será necessário mudar.

 

Matias Spektor - É doutor pela Universidade de Oxford e ensina relações internacionais na FGV.  Escreve às quintas.

 

22/12/2016 02h00